Organização

Gaveta masculina

junho 29, 2015

ORGANIZAÇÃO

Se as mulheres precisam ter vários modelos e cores de calcinhas e sutiãs para tipos e estilos diferentes de roupas (veja aqui a gaveta dela) , homens precisam ter muitas cuecas e meias ... Sabe-se lá para que!... 

Brincadeiras a parte, eles também merecem facilidade e praticidade no dia a dia. Mais objetivos por natureza e detentores de menos paciência para os detalhes (ao menos a maioria), soluções sob medida precisam ir de encontro a certas características. E hoje a dica é para eles.



01- Para descomplicar, as meias foram simplesmente dobradas ao meio e empilhadas de acordo com tipo, cor e tamanho. Mesmo que não seja possível visualizar todas ao mesmo tempo, o topo da pilha geralmente representa o que vai em baixo. As exceções ficam para a meia bege e as duas cinzas. Já que as brancas são a grande maioria, as três representantes solitárias indicam que abaixo delas, as meias brancas, possuem detalhes nessas cores (bege e cinza respectivamente);

02- As cuecas foram dobradas e arquivadas por cor e tipo: slip, sunga, samba canção. A dobra já foi postada anteriormente, quando falei sobre gaveta feminina, mas acho justo postar novamente, então aí vai.


Os homens costumam levar mais tempo para se acostumar a manter suas coisas organizadas, mas fazê-los compreender que isso é parte importante da colaboração em casa e que também ajuda na convivência a dois é oferecer um motivo real e de peso para animá-los. Também não posso esquecer que existem exceções de ambos os lados: rapazes super organizados e mocinhas bagunceiras... A dica é sempre: vamos organizar para simplificar!

Que soluções funcionaram para você? O que tem achado dos posts sobre organização?Poste nos comentários, quero muito saber sua opinião!

Beijos, beijos!!

Decoração

Campinas Décor 2015 – O que usar na parede?

junho 26, 2015

MOSTRA DE DECORAÇÃO

Olá pessoal!!! Na primeira postagem sobre a Campinas Decor 2015 (veja aqui) falei sobre mesas de uso pessoal, aquele cantinho só seu, onde você escreve, navega na internet, cuida de você ou expõe objetos especiais. Trouxe boas ideias para animar uma mudança positiva no seu espaço e que talvez, esteja precisando de uma repaginada! Coragem!!! Aproveite e inspire-se!

E hoje vou dar continuidade às boas ideias que colhi por lá. Hoje é dia de parede! Ôhhh ser difícil de resolver! É só olhar em volta que você dá de cara com várias delas sem graça. Você olha, olha, olha e nada... nem uma ideiazinha para salvar a pátria! Pois então, apesar da enorme dificuldade que a grande maioria tem em solucionar esse “vazio”, acredito que alguma inspiração rola por aqui, afinal de contas, nada deve ser copiado e usar uma boa ideia como ponto de partida é sempre mais divertido; o resultado fica original e personalizado!

Vamos às imagens?!!!


Rodas de bicicleta!!! Em plena onda de sustentabilidade, reciclagem, ecologia e todos os termos que agora fazem parte do nosso vocabulário diário, eis que surge logo no inicio da mostra, uma boa sugestão de uso para as belezuras aposentadas. Uma visita ao ferro velho pode te dar grandes inspirações e a imagem aí, é só uma delas hein!!!


No mesmo ambiente, outra parede também chamou muita atenção. Pintada ou adesivada, uma imagem bem escolhida ou criada especialmente para o seu espaço pode mudar todo o contexto. Aqui, o tema está de acordo com o hobby do dono da casa e, apesar do pé direito alto, ficou muito leve e aconchegante.


A sala de jantar costuma ser meio obvia em se tratando de decoração de paredes. O Buffet e o espelho são fatos consumados e raramente deixam de fazer parte do décor no jantar. Porém, no ambiente acima, apesar do amigo espelho e do Sr. Buffet estarem glamourosamente presentes, ainda temos o jardim vertical para encantar. Paredes com personalidade e sem mesmice! Adoro!


Criatividade e bom humor! O homem aranha e o homem de ferro, em outra canto da sala, saindo da parede como se estivessem invadindo a sala, saídos da ficção e tomando conta da realidade é, no mínimo, divertido. Aqui, solução para o home Theater, mas poderia estar no quarto do seu filho ou num décor masculino bem humorado! E aí você me pergunta, o que são, afinal de contas? E eu, prestativa que sou, respondo: luminárias meus amores!rs.

Coleção é sempre uma super ideia para compor paredes. Tem apelo estético e emocional e nada melhor do que sua história para decorar a sua casa. A coleção fotografada é de relógios de bolso, do próprio Arq. Maxwell Geraldi. Você tem alguma coleção? Que tal organizá-la e expô-la? Good Idea!!!


E aí, depois de várias ideias diferentes para decorar a parede tristonha, você pensa: adeus quadros! Nãoooo! Eles podem parecer simplórios diante de certas soluções, mas mesmo uma ideia aparentemente simples, pode oferecer um visual muuuuuito interessante. Que tal escolher um objeto ou tema que você curte e fotografar em situações diferentes? Esse conjunto de imagens de bicicletas coloridas em lugares diversos foi uma ideia bem criativa!Colocá-las juntas é o que oferece peso e força ao conjunto! Eu adorei e você?


Atualmente a tecnologia em revestimentos tem feito muito sucesso no mundo da decoração. São materiais diversos em formatos, cores e texturas que oferecem inúmeras possibilidades criativas. Uma parede inteira ou apenas um trecho revestida de forma surpreendente pode resolver o ambiente esteticamente e dar o tcham que você esperava. O segredo é saber escolher o que realmente funciona para o seu espaço e sua personalidade!


E para encerrar, uma versão mais com cara de mostra para decorar paredes, e mesmo assim muito inspirador... poético, como o ambiente.  Livros! 

Pessoas queridas, antes de terminar a postagem de hoje, gostaria de dizer que fiz o meu máximo para tirar as fotos. A maioria é minha, mas confesso que foi bem difícil. Eu já não sou uma sumidade no assunto e equilibrar celular, bolsa e a revista da mostra não foi tarefa fácil. Foi uma ginástica! 

Frequento a Campinas Decor sempre que posso e uma coisa que eu não curto muito é carregar o peso  da revista durante todo o percurso da mostra. Vamos combinar... é grande e a gente anda pacas! Eu adoraria receber a revista no final, seguiria feliz e contente para meu lar doce lar, louca para folhear as páginas e rever os ambientes. Bom, fica a dica e que, em nada, desabona o conteúdo do passeio. Eu só queria mesmo chegar mais bem humorada no final...rs.

E você, usaria qual solução na sua casa? Poste nos comentários!
Beijos, beijos!!

Palavras do Coração

Uma coisa de cada Vez

junho 24, 2015

PALAVRAS DO CORAÇÃO

Sempre acreditei na importância de ter metas na vida. Um ponto no horizonte como referência de onde você quer chegar é o jeito mais seguro de não sair da estrada.  Sempre tive muitas delas, nada em lista escrita ou mapas mentais, porque sempre fui muito de pensar. Até demais. Às vezes preciso dizer para mim mesma, dá para dar um tempo? Preciso dormir! 


Sou também ansiosa por natureza. O pezinho “balangando”, como dizia a minha avó, sempre foi minha marca registrada. Admito que não seja uma cena simpática de se ver e provavelmente deveria dar nos nervos de muita gente. Mas... “O tempo passa, o tempo voa”... e agente muda, por escolha ou necessidade.

Uma vez, quando decidi que queria fazer o curso de Design de Interiores, já formada em Arquitetura e Urbanismo há algum tempo, fui à caça da instituição. Já havia rumores de que um curso superior poderia ser criado e achei superinteressante. Comecei avaliar os prós e contras e percebi que mais cinco anos por um diploma de Designer não era lá a melhor das ideias. Optei pelo técnico mesmo, três anos viajando todos os sábados às 4 da manhã de buzão ou pegando carona a sete da matina. Estava em busca de algo que me faltava e isso me deu combustível para aguentar as sextas de jejum de balada e os domingos de puro bagacinho. 

Sempre que me lembro desse período me vem à mente uma frase dita pelo meu pai e que nunca mais me abandonou.  Um dia, estávamos sentados no sofá e eu tinha acabado de ligar para a escola que oferecia o curso. Já havia feito esse contato no ano anterior, mas o número de pessoas não foi suficiente para abrir uma turma aos finais de semana. Naquele momento a pessoa do outro lado explicava que estava tentando montar uma turma novamente e que seria importante que eu deixasse meu nome e contato como interessada pelo curso. Passei as informações necessárias, desliguei o aparelho meio desolada e comentei : - Se continuar assim, não vai dar! Já tenho 28 anos, quando vou terminar esse curso, com trinta, trinta e quantos? Meu pai soltou praticamente a queima roupa: - O tempo vai passar de qualquer jeito, você prefere chegar lá com o curso ou sem o curso?

Depois dessa eu nunca mais fui a mesma e sempre uso esse conceito para a minha vida e para quem quiser aproveitar-se dela, quem sabe abre os olhos de mais alguém? Ali, descobri um portal dentro de mim para lidar com minha ansiedade.  Saquei que pensar muito lá na frente é como dizem, “matar o peru na véspera”. Você pensa em algo ou descobre uma coisa que é importante para você, mas aí vêm aqueles pensamentos do “e se”. Não existe nada mais desanimador que uma lista interminável de “e se” negativos que você nem sabe “se” vai ou não acontecer.

Algumas pessoas preferem defender a tese de que cultuar o “e se” é uma maneira de driblar todas as possibilidades de algo não dar certo. Eu prefiro exercitar minha capacidade de solucionar problemas e dificuldades quando eles aparecerem. Nada contra quem gosta de levantar todas as possibilidades até esgotá-las, é uma questão de escolha. Mas, euzinha prefiro resolver uma coisa de cada vez e à medida que vão chegando, ao contrário, provavelmente paralisaria minha vida. Daria mais força para meus medos e inseguranças do que devem ter. 

E aí vai mais uma legal, frase de uma amiga (já citada antes): Não cultive o medo ou, não decida nada e não faça escolhas baseada(o)s no medo. Tem gente que vive confortavelmente em seu mundo por puro medo. Prefiro deixar de dar comidinha para esse bichinho tinhoso e malandro e só alimentar minha fé de que, o tempo passa, mas ao invés de deixar tudo para trás, traz o que você está buscando para mais perto. Paciência, uma coisa de cada vez e o coitadinho do peru pode viver longos e intermináveis anos, afinal de contas, ninguém sabe o dia de amanhã... vai que... a humanidade se torne vegetariana?...rs.

Beijos, beijos!!

Recomendo

As cinco pessoas que você encontra no céu - Livro

junho 19, 2015

RECOMENDO

A dica de leitura de hoje também é filme. Difícil imaginar não transformar uma história como essa em conteúdo cinematográfico. Não me lembro ao qual dos dois tive acesso primeiro, mas li o livro duas vezes e o filme também. Foi o meu último título da lista do ano passado e havia deixado o filme separado para assistir novamente quando pudesse. 


Mesmo sabendo de todo o enredo... choreeeeeiiiii! Não tem solução, choro mesmo, até em propaganda de margarina. É mico na certa! Tudo bem vá! Valeu cada lágrima. Gosto de histórias que me fazem pensar, avaliar e questionar minha maneira de ver e viver vida. Coloco-me no lugar da personagem e acho que é assim mesmo que tem que ser; viver com profundidade as emoções. São elas que nos constroem e nos dão alicerce para fazermos nossas escolhas.

Aposto que você, assim como eu, já questionou suas escolhas e o que te trouxe ao lugar onde você se encontra hoje. Será que minha vida é o melhor que poderia? Será que preciso mudar o rumo? Será que estou no caminho certo? Acredito ser positivo todo questionamento, só não vale lamentar. Se algo não está do jeito que você imaginava que deveria ser, tentar visualizar o seu momento de vida é uma maneira de compreender que tudo tem seu tempo e um motivo, mesmo que a gente não entenda bem qual é.

Viver uma vida positiva, produtiva, enriquecedora pode ser sinônimo de muitas coisas e acho que, nenhuma delas se encaixa no molde: dinheiro, fama e poder. O livro de hoje demonstra bem isso. Uma vida simples, mas vivida com dedicação pode ser inspirador para muita gente, mesmo que não tenhamos percepção para notar.

O que cada pessoa significa em nossas vidas e o motivo pelo qual ela faz parte da nossa história, nem sempre é muito clara, mas é com certeza, essencial. Terminei o filme e vim escrever. Fiquei pensativa e acho que refletir sobre ele é meio obrigatório. Não dá para terminar o filme ou o livro, e seguir o dia sem pensar...

Então, o livro do Recomendo de hoje é:

Título: As cinco pessoas que você encontra no céu
Autor: Mitch Albom
Editora: Sextante

E o filme estrelado por John Voight e Jeff Daniels também vale a indicação!

Obrigada pela visita!Desejo uma ótima leitura para você ou, uma bela seção pipoca com um lencinho por perto (fica a dica...rs)!

Você tem algum livro ou filme para sugerir? Poste nos comentários,  estou esperando por você!!!

Beijos, beijos!!

Bem Estar

06 Dicas de economia de água no seu dia a dia – Lavanderia

junho 17, 2015

BEM ESTAR

Oi leitores queridos, como prometi aqui estou novamente para dar continuidade às postagens sobre economia de água. Choveu? Choveeeeu...! Foi o suficiente? Nãaaaooooo!!! Mão na consciência gente! Economizar água é bom para o seu bolso e para a natureza e essa, vamos admitir...está precisada hein!!!

Temos que encarar a realidade, mesmo que chova não será o suficiente. Segundo entendidos do assunto, uns 10 anos de perrengue é fato consumado, ou seja, já chegamos ao momento em que, gerações crescerão com a crise hídrica como parte de suas vidas. Os céticos, aos milhares, imaginavam que isso estava longe de acontecer e que era bobagem se preocupar. Pois é, o longe chegou e aqui estamos nos reeducando na marra!



Então, vamos levar a sério! Hoje é dia de economia na lavanderia!


01- O primeiro passo e para o qual nem todo consumidor está atento, é saber escolher a máquina de lavar roupas. As opções disponíveis no mercado variam de 3 a 17 quilos. Decidir por um modelo grande demais pode implicar na necessidade de ter mais roupas no armário para que você possa ter o que vestir, enquanto acumula uma quantidade suficiente para usar a máquina de forma econômica, ou seja, no volume máximo.

 Como sempre, esteja atenta aos seus hábitos. Tenha em mente quantas vezes por semana você lava as roupas, se prefere lavá-las todas de uma vez aos finais de semana, em pequenas quantidades durante a semana; ou apenas uma vez por semana, intercalando cores, lavando-as quando há quantidade suficiente de cada uma. Para cada um desses perfis existe uma máquina ideal.


02- A segunda dica é clássica: acumule roupa para ligar a máquina. Deixe um cantinho da lavanderia reservado para as peças em espera. Se houver espaço, já as separe para facilitar. Juntou roupas pretas suficientes? Liga a máquina! Juntou branca suficiente? Liga a máquina... captou? Usar a máquina no seu máximo otimiza a água, pois a quantidade dela é sempre a mesma para aquele limite.


03- Use um recipiente de tamanho suficiente (grande) para armazenar a água da máquina e reutilizá-la para lavar o piso, principalmente o quintal, que em época de seca acumula pó, e quem tem alergia sofre muito. Também é um jeito legal de manter o espaço do seu cãozinho de estimação em dia e sem peso na consciência.


04- Um único ciclo de enxague é o suficiente! Tem muuuita água agitando a sua roupa, não precisa duplicar ou triplicar esse gasto! É só não exagerar na quantidade de sabão.


05- Se na sua casa lavar a roupa suja é no tanque, aproveite a mesma água do molho para esfregar.  Use água limpa apenas para enxaguar e, assim como no uso da máquina de lavar, armazene toda ela para reutilizar.

06- E na labuta do tanque, também vale juntar uma quantidade legal de roupas para aproveitar ao máximo a água utilizada.


Você acha que seis dicas é uma lista pequena? Pois saiba que levá-las a sério podem poupar muito do seu rico dinheirinho e principalmente, poupar muito da nossa água de cada dia!

Tem outras dicas para economizar água? Compartilhe aqui em nossa cassa!!!
E para facilitar, logo abaixo a lista das outras postagens sobre o assunto.


04- Dicas de economia de água na lavanderia (você está aqui)

Beijos, beijos!!!

DIY

A manta jeans – trabalhando na matéria prima

junho 15, 2015

DIY - FAÇA VOCÊ MESMO

Estou animadíssima com a ideia de fazer a manta jeans. Sou fissurada em projetos DIY com esse material. Painéis, pufes, colchas, aventais e mais um monte de coisinhas legais que deliro quando vejo. Tenho muuuuita coisa armazenada sobre isso, mas até uns dois ou três anos atrás eu nem tinha ideia de que era capaz de costurar e agora vou encarar uma missão, até certo ponto, difícil. 


Patchwork não é melzinho na sopa, sei que existem truques e segredos para o acabamento perfeito e eu nunca fiz nenhum curso. Confesso que mamis já fez e tem mais intimidade com a máquina do que eu, mas o desafio é fazer sozinha. Claro que não vou dispensar as dicas que não sou louca, mas o pezinho no pedal e o dedinho furado... só os meus!



Na postagem anterior sobre a manta (leia aqui) eu falei sobre aproveitar as calças e complementar com um pouco de matéria prima zero bala, assim a manta não fica tão pesada. As calças são de um jeans mais grosso e ninguém precisa se estressar montando estoque de calça velha. Hoje vou contar para vocês como fiz para aproveitar as calças zumbis (as que andam sozinhas por aí), nesse projeto que começou faz um tempão!


01- O primeiro passo é descosturar as pernas da calça. O segredo de ter essa trabalheira toda é que dá para aproveitar as pernas desde a altura da barra. Como hoje em dia a boca das calças é bem estreita, os centímetros que você ganha podem ser usados para a costura depois. Ou seja, aquele um centímetro que se deixa de sobra para a costura, pode ser exatamente esse pedacinho que você ganhou. Se a calça for larga, nem precisa desse trabalho todo.

02- Descosture a calça até uma altura que ainda dê para aproveitar como bermuda, assim você doa ou usa! Não adianta ir além, o bolso da calça está logo ali e não vamos utilizar esse pedaço.



03- Agora você precisa riscar os quadradinhos. Se eu fosse usar a régua própria para Patchwork, em cada perna de calça, entregaria os pontos antes de começar... nada prático! Então, fiz um molde para riscar. Em acetato grosso, desenhei com a régua um quadradinho de 15cmx15cm e marquei um centímetro para dentro em toda a volta. Nos cantos, onde as linhas se encontram, com um estilete e rezando, pois sou um perigo com ferramentas afiadas nas mãos, marquei os quatro cantos e cortei em formato de triângulo – veja a foto acima. 





04- Usei o acetato como molde. Risquei o contorno dele na perna da calça e depois marquei os quatro cantos de dentro para delimitar o centímetro extra para a costura. Agora sim, com régua, liguei as quatro marcas dos cantos com linhas a lápis, que serão as guias na hora de passar na máquina.



05- Veja que legal os quadradinhos já cortados. Optei por usar quadradinhos de 15cmx15cm, mas é bom lembrar, que depois de costurar seguindo a linha interna, ele ficará com 13cmx13cm. Portanto, se você quiser quadrados maiores, lembre-se de considerar sempre os tais centímetros extras para a costura.



06- Agora, com todos os quadrados recortados, comece a alfinetar em fileiras, já respeitando as linhas internas de costura, de cada peça. Alfinete do lado avesso.



07- Olha como ficou depois de todas as peças alfinetadas. Quatro fileiras! Se fosse para fazer uma manta para o pé da cama, já seria o suficiente, mas como o objetivo é a manta do sofá, ainda tenho chão...

Fui até aqui pessoal. Agora preciso pesquisar e comprar o jeans que falta e aí, podemos partir para a próxima etapa: riscar e cortar com a famosa régua de patchwork

E você, gosta de costurar? O que você já fez? Compatrilhe com quem também ama linhas e agulhas!!!

Beijos, Beijos!!



Arte e Design

O faz de conta de Judson Beaumont

junho 12, 2015

ARTE & DESIGN

Programei para o tema “Arte e Design” muitas postagens sobre artistas famosos ou nem tanto, mas que precisam de alguma forma, me deixar de queixo caído. Alguns eu já conhecia e outros, descobri pesquisando ou lendo - sempre atenta, pois quero trazer para vocês assuntos interessantes e muitas vezes novidades, já que alguns, não são focos da mídia.




Depois de passear pelo universo da pintura com Betariz Milhazes (leia aqui); da fotografia com Cerise Doucède (leia aqui); e pelo encantado mundo do vidro com Dale Chihuly (veja aqui), hoje vamos mergulhar no mundo do design de mobiliário. Mas, não aquele chiquérrimo (que também adoro e vai surgir por aqui na hora certa), mas criativo, divertido, curioso!


Aposto que você já deve ter visto alguma imagem das criações da estrela de hoje: Judson Beaumont. O cara é o cabeça da oficina Straight Line Designs e já está na estrada faz 25 anos. Seu estúdio fica em Vancouver, British Columbia, mas seu trabalho não se restringe aos limites geográficos, óbvio! Com tanta criatividade, Judson Beaumont produz para escolas, hospitais, aeroportos, creches, instituições públicas, exposições, instalações e encomendas particulares, em toda a America do Norte e fora dos EUA também. Até a Disney é parte de seu portfólio!


Além do designer, a oficina conta com uma equipe de oito artesãos que primam pela qualidade, personalização e criatividade dos projetos. Nadando contra a maré da produção em massa e valorizando a criatividade, encara os desafios com muito humor e diversão. 



Os móveis são criados essencialmente para crianças, voltados para o estilo cartoon, para o mundo encantado e sempre exclusivos. É muito fácil lembrar do filme “A Bela e a Fera”, da Disney, quando se olha para suas criações. Não há desafio para Judson Beaumont que fique sem resposta e sua equipe é movida pelo desafio.



No inicio de tudo, sua produção mobiliária era comum, sem grandes diferenciais em relação ao que outras oficinas criavam. A mudança ocorreu ao produzir peças para um casal de amigos que esperavam seu primeiro filho. Ao projetar pensando no universo infantil, abriu caminho para uma linha arrojada, surpreendente, muito original e que ganhou fama, justamente por ser tão autenticamente infantil. 




As crianças recebem muito bem o que Judson Beaumont cria e ele também prefere produzir para elas. Segundo ele próprio, as crianças respondem muito favoravelmente às suas criações, enquanto os adultos, muitas vezes, definem o que se pode ou não fazer. Para Judson Beaumont, nada é impossível.



Eu adoro o conceito das suas criações e o humor que vem junto, uma ousadia e uma coragem em criar sem se preocupar com nada, além de tocar seus principais clientes: as crianças.


Se você gostou da postagem ou diverte-se tanto quanto eu com coisas assim, vai amar conhecer o site oficial (aqui) e também dar uma folheada em algumas páginas do livro digital “What’s Next?” (By Judson Beaumont) (aqui)

Gostou? Quer sugerir a próxima postagem sobre o mundo das artes? Poste nos comentários. Espero você! 

Beijos, beijos!!!

Palavras do Coração

Férias para Santo Antônio

junho 11, 2015

PALAVRAS DO CORAÇÃO

Junho é mês dos namorados, Santo Antonio e São João. Se você passou o dia dos namorados com alguém legal, beleza! Se passou pensando em afogar Santo Antonio na bacia d’água desencana, eu o afoguei no açúcar e ele nem tchun para mim....rsrsrs. E pensa que a desesperada sou eu? Nãninãna... A avó da sobrinha foi quem andou meio neura com o assunto. 


Um dia chegou com a maior cara de nada (estilo paisagem zen) e me disse que tinha trazido um presentinho para mim. Obaaa!! Pensei. Fala logo, não enrola não... sacanáge, hein!!! E aí, ela tira da bolsa um pacotinho com o tal do santinho! Dei muita risada, mas ela falou tão sério, que parecia ter descoberto o segredo da juventude. Mandou-me colocá-lo de cabeça para baixo em alguma coisa e no dia certo, fazer um desejo. Fiz gente! Rsrs. Vai que ela resolve dizer, para o resto da minha vida, que não arrumei o cara certo porque não fiz o vuco vuco da simpatia!

Mas, fiquei com dó do santinho e achei mó sacanagem afogá-lo. Deixei –o numa xicarazinha fofa, entalado no açúcar! Segundo ela, ele tinha que ficar atolado lá até o desejo se realizar. E Aí... Óh... Ou eu não pedi com tanta dedicação quanto deveria, ou o santo das(dos) encalhados(as) é viciado em doce... Né?! Kkkkk. No final das contas, o coitadinho ficou lá esquecido e virou decoração de cabeceira: uma xícara e dois pezinhos! 

Quando comecei a arrumar as coisas para a mudança, olhei para ele e lembrei qual era a missão frustrada daquela xícara com pés. Achei mais seguro perguntar para a chefona da simpatia se eu podia dar um fim naquela situação tão constrangedora para o Santo e tirá-lo de lá, vai que precisa fazer alguma versão de retirada do pedido! Não sei em qual dia eu me diverti mais, no dia em que ela chegou com o dito cujo, ou quando ela se viu tendo que aceitar a vida como é! 


Isso aconteceu nos idos de 2011 e o coitado ficou mais de um ano meditando com a cara no açúcar. Quando decidi tomar a decisão caridosa: encerrar a vida açucarada do santo; peguei nos pezinhos achando que seria só puxar e boa....hurrum... Puxei e veio... o pé junto com o açúcar.  O santinho estava quase fossilizado naquele torrão. Oh dó! Depois dessa, coloquei-o para morar no jardim e acabar seus dias em meio à natureza (limpei antes tá!?). Será que assim fizemos as pazes? 

E hoje, já conformada, ela nem fala mais em santo nenhum! Ufa...rs. Acho que já entendeu que a vida é como é, e que, tudo tem seu tempo. Se estou numa boa, ela também pode ficar e não esquentar os neurônios com isso. Afinal de contas, para ser feliz com alguém você tem que aprender a ser feliz sozinha (o) primeiro, e eu já suplantei os sonhos da adolescência. Quero mesmo é ser feliz e acho que não existe receita para a felicidade, mas também acho que talvez seu maior segredo seja: viver bem e no bem, com a vida que você tem!

Ah! E vamos fazer jus ao São João também né pessoas, afinal de contas, se torturar o Santo Antonio ainda for de eficiência duvidosa, aproveita que São João é o santo festeiro e mergulha no clima, quem sabe rola um cowboy caipira ou uma cowgirl estilosa na sua horta orgânica? Rsrrs. 

E bora curtir todas as datas do melhor jeito possível. Eu... vou me dar um presente de dia dos namorados, afinal de contas, eu me amo e não vivo sem a minha pessoa. Vou comer comida de festa junina lá na praça da igreja (cidade pequena é assim bem!) e quanto ao nosso amigo “Antonio”: que esteja com os anjos, e se depender de mim, curtindo fériaaaaaas!!! Ele merece!!!!

Beijos, beijos!!!



Diário de Obra

Como escolher o terreno para a casa dos seus sonhos

junho 10, 2015

DIÁRIO DE OBRA

É muito fácil abrir o caderno de classificados ou fazer uma rápida pesquisa na internet e encontrar exatamente o que você procura: o terreno para a casa dos seus sonhos. Na verdade não é tão simples, mas também não é uma missão impossível. 

Considerando que o valor a ser investido em um terreno está cada vez mais alto, que dinheiro não nasce em árvore e que ele será o papel em branco de onde sua casa nascerá, temos que admitir, essa etapa deve ser cuidadosamente estudada e bem definida.



Sem pressa e com muita cautela, é importante destrinchar os principais pontos para a melhor escolha, seja na cidade, praia ou campo. E é o que vamos fazer hoje!

01- Priorize seus desejos:
Faça uma lista sobre seus desejos em relação ao terreno e sua futura casa. Neste primeiro momento relacione tudo, sem preocupação ou amarras. Se possível, reúna a família e anote os pontos de vista de todos sobre o que é o melhor. Por exemplo: 

- Prefiro quartos menores e área social espaçosa;
- Tenho animais de estimação e preciso de espaço para eles;
- Tenho dois carros, mas há necessidade de uma vaga extra;
- Gostaria de ter um banheiro em cada dormitório;
- Trabalho em casa, tenho necessidade de um escritório, mesmo que compacto;
- Quero uma casa simples, mas bem iluminada;

E por aí vai, quanto mais detalhado e claro seus desejos, melhor.

No segundo momento, leia com calma e elimine os itens que se chocam, as vontades que não podem existir em uma mesma solução, os exageros e os sonhos impossíveis. Com uma lista mais realista, hierarquize as necessidades e monte três outras listas: 

- A dos pontos mais importantes e dos quais você não pretende abrir mão;
- A das questões negociáveis;
- A lista dos nãos, daquilo que você realmente não quer.

Assim, você terá referências mais objetivas na hora de descrever o que quer como resultado final do projeto e, portanto, terá mais facilidade em procurar o melhor terreno que se encaixe em suas necessidades.

02- Localização:

 Escolher alguns bairros de sua preferência ajuda a limitar as opções. Se está preocupada(o) em ficar mais próxima(o) do trabalho, por exemplo, faça uma lista das melhores possibilidades e estude os acessos. Muitas vezes um bairro pode ser mais próximo, mas outro, nem tão perto, oferece vias expressas e trânsito mais fluído.

Vale também avaliar se você prefere ser vizinho das facilidades do dia a dia ou curte mesmo uma bela vista, tranquilidade e natureza.

Atualmente, a grande demanda é por terrenos em condomínios fechados. A procura por mais segurança é muitas vezes a primeira prioridade, mas nem todo o mundo quer se sentir tolhido ou limitado pelas regras de condomínio. 

03- Quem pode ajudar?

Procure algumas imobiliárias, no máximo três, para que você não perca o controle da situação e nem seu tempo com opções fora da lista de interesses. Explique com clareza sobre o que você quer e defina os pontos prioritários – use as três listas como apoio. 

Procurar terrenos por conta própria também ajuda muito. Pegue aquela lista dos bairros que você já montou e programe passeios, se achar algo interessante, anote o endereço, contato e tire fotos. Tenha o mesmo cuidado com os terrenos apresentados pelos corretores. Montar uma pasta com todas as informações, inclusive dos pontos fortes e fracos de cada opção, vai ajudar muito na hora da decisão.

02- Dimensões do terreno: 

Cuidado com terrenos estreitos, assimétricos demais, com ângulos e formatos muito fora do padrão. É certo que um bom projeto pode tirar proveito até mesmo das características problemáticas, mas muitas vezes, para que isso seja possível, é provável que você precise abrir mão de algo.

Para entender melhor, imagine que você quer uma casa térrea com garagem para quatro carros, três suítes e uma edícula, em nenhuma hipótese é possível desenvolver um projeto como esse em um terreno com cinco metros de frente e vinte e cinco de fundo.

Tudo bem, fui um tanto radical no exemplo, mas é muito difícil, sem ajuda de um profissional, formar  o casal ideal “terreno x projeto dos seus sonhos”, pois as variáveis são inúmeras.

03- Topografia: 

Terrenos no mesmo nível da rua são os mais simples de se resolver. 

Com aclive, ou seja, com a frente mais próxima do nível da rua e o fundo mais alto; se bem explorado, pode resultar em um projeto muito criativo, com áreas de uso definidas em patamares diferentes. Pode ser necessário contenção de arrimo (ver figura abaixo) e isso pode custar um belo investimento, avalie se outros quesitos compensam o gasto.  Mas, só siga em frente em um caso como esse se você e sua família não possuem restrições quanto às inúmeras escadas necessárias.



Com declive. Nesse caso a frente do terreno também está mais próxima do nível da rua, mas o fundo está mais baixo. Esse é o mais difícil. Na maioria das vezes não oferece nível para queda de esgoto. Se aterrar for a escolha, prepare o bolso; se a intenção é evitar o aterramento, é possível desenvolver um projeto que nivela a casa com pilares aparentes, deixando-a “flutuando” acima do terreno difícil, nesse caso, você já tem o conceito do projeto definido.

04- O entorno:

Esteja atenta(o) ao entorno do terreno, observe se há torres de comunicação muito próximas, histórico de alagamento, mananciais, ferrovias, rodovias, nascentes, encostas, etc. 

Recursos hídricos são preservados, assim como algumas áreas naturais. Nesses casos, há diversas restrições de uso, recuos obrigatórios e muitas complicações para aprovação de projeto. Se o seu caso é esse consulte o IBAMA e a prefeitura sobre a região ou contrate um profissional, pois o conjunto de informações necessárias é muito grande e complexa.

Pesquise na prefeitura sobre futuras obras públicas que podem alterar o contexto do entorno.
O que valoriza: disponibilidade de água encanada, energia elétrica e esgoto; o tipo e qualidade do transporte público que serve a região e os tipos de vias de acesso. Proximidade de centros comerciais, shoppings, parques, universidades, farmácias, padarias.

O que desvaloriza: poluição sonora, do ar e visual; edifícios altos, favelas, cemitérios, depósitos de lixo, fábricas, estabelecimentos e vias barulhentas.

05- Zoneamento/uso e ocupação do solo:

O zoneamento define os tipos permitidos de ocupação em cada área da cidade. Algumas zonas  do município são estritamente residenciais, industriais, outras podem receber comércio e prestação de serviço, e outras são mistas.

Outra questão é a taxa de ocupação de uso do solo (porcentagem máxima que a construção pode ocupar no terreno), coeficiente de aproveitamento (definição da altura limite permitida na região ou zona) e os recuos obrigatórios. Mas, se você quer fazer um pré-estudo dos terrenos disponíveis antes de contratar um profissional é só ir até a prefeitura.

06- Em condomínio:

Se sua escolha está caminhando para condomínios fechados, informe-se quanto às regras internas, que não podem contrariar as exigências da prefeitura, mas podem somar outras questões especificas, como por exemplo, área mínima construída.  

Dica geral: cuidado com terrenos de esquina. Podem parecer grandes e com preços atraentes, mas perdem muita área para recuos obrigatórios. No entanto, se você não precisa de uma grande área construída, pode ser uma opção bem interessante.

07- Tipo de solo:

Saber qual tipo de solo é o que define o tipo de estrutura que será utilizada. Solos mais compactos são mais resistentes à carga e os mais moles e fofos, os mais problemáticos. Para avaliar qual tipo prevalece no seu terreno é preciso fazer uma avaliação por profissional competente, que pode ser um engenheiro. Se você ainda não comprou e está pesquisando, converse com os vizinhos para ao menos ter uma ideia da situação, mas na hora de construir não vale aproveitar o estudo do solo do vizinho ao lado, do contrário, corre-se o risco de errar feio na escolha da estrutura de fundação (a parte da estrutura que você não vê, pois está abaixo do solo).

08- Conforto térmico:

Conhecer a posição do terreno em relação ao sol é muito importante, é o que garante saúde dentro da construção.  Boa iluminação e ventilação são primordiais e deveria ser quesito classificatório no momento da decisão.

O ideal é uma das faces maiores do terreno estar voltada para o norte, que é a posição de maior permanecia do sol no inverno. Se a menor área estiver voltada para o sudeste, a casa fica mais protegida do vento frio e úmido.

Do contrário, o projeto deve ser pensado para compensar a falta de conforto térmico natural.

09- Documentação:

Para manter um terreno no páreo da disputa é importante verificar sua situação legal. Como são documentos públicos é possível investigar se está tudo dentro dos “conformes”. São dois os documentos mais importantes:

- Certidão Negativa de Débito e Tributo. Pode ser requerida na prefeitura e demonstra a situação quanto ao IPTU, possíveis ações contra a propriedade, penhora, hipoteca, dívidas em geral.

- Certidão Decenal. Apresenta todo o histórico de transações da propriedade em questão e pode ser solicitada no Cartório de Registros de Imóveis.

Dica: Fazer uma avaliação da idoneidade do atual proprietário também pode ser importante e nesse caso, é um advogado quem dá andamento.

10- A hora da ajuda: 

Depois da pesquisa mais pesada escolha no máximo três terrenos que preenchem os quesitos mais importantes e contrate um profissional para a avaliação final. Sua visão do conjunto auxiliará na escolha do terreno que poderá oferecer o resultado mais satisfatório quanto ao projeto que você sonha.

Uma última dica, para avaliar melhor os terrenos disponíveis, faça uma conta sobre cada um deles:

CUSTO DO TERRENO / METRAGEM QUADRADA = QUANTO CUSTA O METRO DO TERRENO

Assim, você também pode comparar o custo de cada terreno, em metro quadrado, o que fica difícil de fazer através do valor total, já que cada um tem uma dimensão diferente.

Etapa do terreno resolvida? Respira fundo e segue em frente. 

Dúvidas e sugestões? É só postar nos comentários!

Beijos, beijos!!

Organização

Conferência Internacional Personal Organizer Brasil

junho 08, 2015

ORGANIZAÇÃO

Na postagem sobre organização de hoje resolvi trazer para vocês informações sobre a organização no Brasil, mais especificamente sobre os eventos importantes que andam acontecendo por aí e que, para quem quer ir além, precisa estar a par.



Sou formada em organização pela OZ (já falei deles aqui) e, assim como todas as organizadoras do país que já fizeram parte do quadro de alunas da empresa, sempre recebo e-mails e comunicados sobre novas turmas e temas. Ultimamente os informativos estão voltados a 2º. Conferência Personal Organizer Brasil, que acontece dia 13 de junho no Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo.

Recentemente também aconteceu em abril, a Conferência da NAPO -National of Professional Organizers (EUA), referência mundial na área de organização e que mobilizou não apenas profissionais do EUA, como também brasileiros que vivem no exterior e atuam neste seguimento, ou que puderam ir até lá para reciclar e conhecer as novidades.

Aqui no Brasil, o Personal Organizer ainda desperta curiosidade e muita gente nem imagina o que este profissional pode fazer (leia aqui para entender melhor); por isso, achei interessante trazer mais incentivo para quem está envolvida (o) com a profissão do futuro e quer continuar evoluindo na área.
Uma rápida conversa com a personal organizer Helena Alkhas, brasileira que atua nos EUA e que tem uma experiência bem interessante em atendimentos alternativos para clientes distantes. Vale assistir!

Apesar de a minha pessoa estar com comichão para participar do evento, infelizmente não será possível, quem sabe no próximo, né?! Como organizadoras (ou não) sabemos que priorizar é preciso, então, fiz o que estava ao meu alcance! Trouxe para vocês as informações e espero que tenham sido úteis e inspiradoras! É sempre bom reciclar, trocar experiências, ouvir opiniões e pontos de vista diferentes! É uma forma de alavancar seu crescimento profissional e também pessoal. Se você pode participar, aproveite!

Beijos, beijos!!!



Mostra de Decoração

Campinas Decor 2015 – Uma mesa para chamar de sua

junho 05, 2015

MOSTRA DE DECORAÇÃO

A mostra de decoração mais badalada e tradicional da região está em cartaz no Shopping Iguatemi, na ala nova! Em sua 20ª edição, apresenta 53 ambientes distribuídos em 1500m2. Foi inaugurada em 14 de maio e vai, para deleite da galera, até 02 de agosto.


Eu fui gente! Com uma turminha para lá de especial e muitos flashes para trazer para vocês algumas imagens legais e dicas tops! Quem sabe inspiro os leitores queridos a conhecerem, face to face, os ambientes super produzidos e cheios de boas ideias?!

Não foi fácil sair da aula e ir direto. Depois de um dia inteiro de curso, andar todo o shopping procurando a mostra (fica a dica, faltam informações claras para chegar até lá) deixou-nos de língua de fora! Mas, valeu o passeio e a diversão!

Programei fazer várias postagens sobre o tema, mas cada um com um enfoque diferente, e o de hoje é sobre mesas. Não mesas de jantar, que adoroooo! Mas, o assunto do dia é “uma mesa para chamar de sua”... E aí... você, com cara de paisagem pergunta: Hein???

Então, vou explicar tim tim por tim tim:  sabe aquele cantinho onde você constrói o seu mundo, se concentra para executar suas tarefas e que tem a sua cara? Pode ser uma mesa de trabalho na sala, no quarto; uma mesa de maquiagem ou onde você dispõe coisinhas que ama e gosta de ter por perto? Pois é, hoje é o dia delas! 

E vamos parar de “convercê” e dar rumo ao assunto?


Adorei as cores! Tons neutros na parede, no tecido da cadeira e no tapete: uma ótima base para as luminárias na cor rosa. O tampo de vidro é leve e sofisticado e vem casado com a simplicidade da madeira nos cavaletes e na cadeira. Delicado e feminino! O quarto todo é lindo, mas trouxe para vocês o “cantinho” que amei!!!


Super descontraído e jovial! O mapa mundi em adesivo na parede já dá uma baita personalidade.  Apesar de ter uma pegada jovem com a mochila e os objetos na mesa, poderia ser uma mesa para alguém mais maduro também, mudando apenas alguns detalhes. 


Aqui, o feminino aparece novamente de forma muito delicada e suave. O tampo branco realça as peças expostas e a iluminação intimista deixa a gente com vontade de ficar ali, pensando na vida; cuidando da “cútis” com zilhões de cremes ou escrevendo em um diário secreto por horas! Hum...!!!


Você chega do trabalho cansado e com a cabeça cheia de coisas fumegantes. Sente uma vontade imensa de relaxar. O que você faz? Depois do banho quente, é claro! Eu respondo! Senta na sua mesa cheia de estilo, com um vinhozinho e mergulha no mundo digital!!!! Não é essa a sensação que dá ao olhar para este espaço?  A mesa e a cadeira possuem estrutura leve, as peças na parede é que dão o equilíbrio para o conjunto e os poucos objetos sobre a mesa deixam-na com ar masculino.



Uma mesa requintada, cheia de objetos. Peças escolhidas a dedo que poderiam ser lembranças de viagens ou que combinam com a dona do espaço. Aliás, mais um cantinho voltado para a alma feminina! Com muitos detalhes, porém, aconchegante e encantador.

Por hoje vou encerrando por aqui. Logo mais novas postagens sobre a Campinas Decor 2015! Com mais dicas e imagens para você curtir!

E então, o que acharam da postagem de hoje? E você, tem uma mesa preferida? Conte nos comentários, quero ouvir sua opinião!

Grande beijo e até mais!


Ôh de Casaa!! Store

Manifesto

Manifesto
Comprar de quem faz...

Instagram